Renato Santana x Rodrigo Rollemberg: efeito retardado.

Por Mino Pedrosa

O escândalo que teve como protagonista o vice-governador de Brasília, Renato Santana em 2016, agora, no fim do governo de Rodrigo Rollemberg, ganha força. A Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) descontente com os desmandos do governador está em busca dos flagrantes de corrupção que perduram deste o inicio do governo na Secretaria de Fazenda e outras, incluindo autarquias como o DFTrans.

A ação da PCDF que não obedece os mandos de Rollemberg, nesta terça-feira (22) confirmou que existe um esquema de desvios de recursos públicos na Secretaria de Fazenda, envolvendo servidores efetivos e comissionados da confiança do governador. Às 06:20 da manhã viaturas estacionaram na frente da Secretaria de Fazenda em uma mega operação, cumprindo mandados de busca, apreensão e prisão no 8º andar que foi interditado. “Ninguém entra e ninguém sai. Isso é uma operação policial”. Anunciou o delegado.

Peritos e agentes que participavam da operação copiaram arquivos com dados das transações imobiliárias do Nutim (Núcleo de transações imobiliárias). Apreenderam dois computadores que estavam abertos com a senha do subsecretário além de documentos em poder dos auditores e do subsecretário.

A operação se estendeu até o começo da tarde e o secretário de fazenda, Wilson de Paula já havia comunicado ao governador que nos bastidores demostrou preocupação com o “erro” cometido na alíquota de cobrança do IPTU e outras medidas que foram tomadas na Secretaria que poderiam ser interpretadas como fraude fiscal.

Ao deixar a secretaria o delegado comandante da operação entregou todo o material para a perícia e pediu ajuda oficialmente de dois fiscais autorizados pelo Ministério Público para decifrar os documentos e os arquivos do CPD (Centro de Processamento de Dados) copiados pela Polícia.

A operação é consequência do rompimento do vice-governador Renato Santana (PSD) com o governador Rodrigo Rollemberg (PSB), que andam as turras deixando bem claro que Renato Santana está na oposição. Daí para frente levantaram o tapete e o que estava encoberto virá a tona.

Vice-governador Renato Santana em conversa com a presidente do Sindsaúde Marli Rodrigues e Valdeci Rodrigues ex funcionário do sindicato.

Transcrição de parte do diálogo:

Renato Santana: Autorizou o [inaudível] a pegar 10% de propina. Eu não autorizei, mas o assunto chegou pra mim. Eu me sinto… Seria um escroto não te falar.

Valdeci Rodrigues: Tá desse nível o negócio…

Marli Rodrigues: Tá desse nível? Então você tem que perguntar pra ele, se ele autorizou 30% de propina. Você tem conhecimento disso? 10% você tem conhecimento.

Renato Santana: De 10%, eu tenho. Da Fazenda. Por isso que eu tô te falando, se você tem uma chave…

Marli: Sabe o que que eu acho? Eu vou abrir essa porra, eu vou abrir essa porra. A propina corre solta ali. Se você conhece 10%…

Valdeci: É 30%???

Marli: É 30%. E tem muita gente envolvida nessa história. Sim, eu tô falando da Saúde, agora, se partir pra outros locais que a gente também conseguiu identificar, você vai encontrar muitas coisas mais, entendeu? Então, fique longe de tudo isso. Só pense, mantenha-se ímprobo de tudo isso, porque um governador que sabe que estão roubando o governo dele é conivente. Ele é conivente, é refém de uma Câmara. É refém da Câmara ou não é? Totalmente.

Na época o vice-governador foi convocado pelo Ministério Público e pela Câmara Legislativa para dar explicações e confirmou tudo o que havia falado na gravação.