Para desfazer qualquer mal-entendido esclarecimento e retratação

Em 04 ABR 2017, sempre em nome da verdade, o QUID NOVI publicou uma reportagem que denunciava um funcionário fantasma: José Ribamar Rodrigues Dias.

http://quidnovi.com.br/padre-fantasma-de-chico-assusta-vigilantes-da-camara/

Nessa mesma reportagem, foi citado também um outro fato verdadeiro, mas que confundiu muita gente.

O funcionário do Senado Federal concursado, de nome Frederico de Pina Álvares Filho tinha uma função comissionada na Câmara Legislativa do Distrito Federal, e trabalhava no mesmo gabinete do funcionário fantasma – o gabinete número 9, do deputado Chico Vigilante.

Por ser servidor, além do rendimento do cargo cedido (no Senado Federal), Frederico de Pina também recebia a função pelo gabinete. A soma dos dois rendimentos era superior ao teto do funcionalismo público, e o valor vinha com um “abate-teto”.

O fato pitoresco foi que no mesmo dia em que Frederico de Pina era exonerado da função pelo deputado Chico Vigilante (PT/DF), era nomeado para o mesmíssimo cargo o seu irmão Eduardo Octávio Teixeira Álvares. Como seu irmão não detinha a mesma remuneração, o “abate-teto” não incidia – e o valor total gasto pelo erário aumentou.

Apesar de deixar a função (e a remuneração correspondente, que passou a ser recebida pelo seu irmão), Frederico de Pina continuou assessorando o núcleo político a que pertence.

A grande confusão é que a ligação entre as histórias era a coincidência de ocorrerem no mesmo gabinete.

Frederico de Pina entendeu que a ligação entre as histórias era o fato de que se cuidava da acusação de dois funcionários fantasmas.

Para evitar qualquer mal-entendido, a QUID NOVI vem a público, em nome da verdade, retratar-se de qualquer interpretação equivocada que a reportagem de 04 ABR 2017 possa suscitar.

A reportagem jamais disse nem quis dizer que Frederico de Pina Álvares Filho fosse um funcionário fantasma. Muito pelo contrário, ele apresentou comprovantes de frequência no Senado Federal – que indicam o seu comparecimento regular em suas funções públicas.