Mulheres decidem que querem 2o turno para Presidente

04/10/2010  -  03:43

imprimir enviar para amigo comente essa notícia

Por Sheila Aragão

O eleitorado feminino mais uma vez definiu que a disputa à Presidência da República vai ter segundo turno. Isto, por quê as mulheres somam 51 % do Colégio Eleitoral brasileiro. E o mais interessante; a mulherada resolveu que Dilma Houssef, apesar de mulher, não iria de primeira para o Planalto. Marina Silva, outra mulher, foi colocada no meio da disputa com quase 20% da totalidade dos votos válidos. Praticamente 10% a mais do que indicavam as pesquisas até o final da semana passada. Resumindo: mulheres brasileiras deram show de democracia e colocaram o país pra pensar mais 27 dias. Quem será o novo Presidente do Brasil, Dilma Houssef ou José Serra?
O pêndulo da balança está nas mãos de Marina Silva. Esta mulher, de aparência frágil, que até poucos dias não usava um pingo de maquiagem, mas que na verdade é uma sertaneja forte, professora de História, ambientalista, que sabe bem o que quer. Hoje, ela veio a público, muito bem maquiada (provavelmente com produtos da Natura, empresa de seu vice-presidente Guilherme Leal), segura da sua importância para levar as eleições presidenciais para o 2º Turno.
Aliás, as mulheres não alcançaram os 30% previstos em lei, como candidatas ( ficaram em torno de 22%) mas fizeram a diferença: pro bem e para o mal nessas eleições 2010.
Vexames como o da senhora Roriz, que “apaixonada” defendeu o maridão no último debate para o Governo de Brasília, e que acabou mostrando a força do eleitorado do Joaquim nos limites do Distrito Federal. O ex-governador  e ex-senador, que renunciou à corrida ao Palácio do Buriti, colocou a esposa fiel no segundo turno e desestruturou a festa de Agnelo e do PT marcada na Esplanada dos Ministérios. Além de ter feito uma filha deputada federal (Jaqueline) e outra distrital (Liliane). Muito bem votadas , por sinal. Além de um sobrinho (Paulo) ter ficado como o primeiro na linha de posse (25º colocado, em 24 distritais eleitos). A festa deve ter rolado solta na mansão dos Roriz no Parque Way, bairro de Brasília.
A senadora Rosalba Ciarlini, do Rio Grande do Norte, foi eleita no primeiro turno pela coligação DEM - PSL / PTN / PSC / DEM / PMN / PSDB. Rosalba, que faz um trabalho relevante na área cultural em seu estado e no Congresso Nacional, resolve logo o problema do Rio Grande do Norte, mas deixa confuso a bancada de seu Estado no Senado. Garibaldi Alves Filho foi eleito senador pelo RN e Rosalba tem como suplente Garibaldi Alves (pai), assume a vaga aberta pela futura governadora. Detalhe: Garibaldi Alves, ex-governador do RN, esteve internado em janeiro deste ano numa UTI com a saúde precária.
Hoje ao votar, em Brasília, fiquei bastante preocupada quando deparei com os suplentes dos senadores. Não costumamos pesquisar os suplentes desses cargos, que eventualmente tomam posse e não sabemos nada sobre eles. Pelo menos, nas fotos, nenhum dos suplentes às duas vagas do Senado do Distrito Federal, são conhecidos. Isto é assustador. Nos próximos 8 anos, qualquer um dos quatro suplentes dos senadores eleitos Cristovam e Rollemberg podem assumir e não temos idéia de quem sejam. Deixo aqui uma sugestão para que nas próximas eleições possamos ter algum conhecimento das pessoas que podem chegar ao Senado de carona.
Mas voltando às mulheres. Roseana Sarney sofreu até os 45 minutos do segundo tempo. Com o pai internado, com problema de arritimia cardíaca, a governadora passou por momentos tensos até que por volta da 1 hora da manhã, ficou definido que tinha 50% dos eleitores mais dois mil e poucos votos. Muito pequena a margem para um eleitorado de mais de 4 milhões de votos.
Agora a grande surpresa ficou por conta da fortaleza Dilma Houssef. A candidata do presidente Lula, que por sinal não apareceu pela primeira vez ao lado da ex-chefe da Casa Civil desde o início da Campanha, estava amoadinha. Dilma Vana limitou-se a cumprimentar os concorrentes e comunicar que nesta segunda-feira vai dar uma coletiva com direito a perguntas diretas da imprensa.
O clima de distanciamento da imprensa impresso pelo PT  durante a campanha de Dilma deve mudar neste 2º Turno. Ficou claro que isto não agradou aos eleitores e pode ter dificultado o relacionamento de Dilma com a população.
O presidente Lula ter se recolhido neste domingo à noite foi, no mínimo, estranho. Espera-se um contra-ataque para esta segunda-feira. Mas temos de aguardar.
O candidato Serra foi o último a falar. Desabafou sobre os resultados das pesquisas e reconheceu agradeceu a Marina pela responsabilidade de ter levado o país ao segundo turno. No início da madrugada já se cogitava a possibilidade de mudanças no vice de Serra. Fala-se em Marina e um novo ataque a Aécio Neves, eleito senador por Minas Gerais e forte candidato à presidência do Senado.
Marina convocou a “onda verde” a discutir nesta segunda-feira o posicionamento nas eleições no 2º turno. Com muita moeda de troca, Marina tem a faca e o queijo na mão para negociar a participação do PV no Governo Tucano e enriquecer a corrida para o Planalto.
Se Marina entrar aceitar o convite dos tucanos, Lula terá com que se preocupar. Duas mulheres estarão novamente na corrida para o Planalto. Mesmo pilotada por Serra a equipe do PSDB estará com um 2º piloto (Marina) de ponta e o eleitorado feminino decide mais uma vez, provavelmente na última hora, quem vai ocupar a cadeira da Presidência da República nos próximos 4 anos. É bom lembrar que até agosto de 2009, Dilma e Marina eram companheiras do PT. Marina saiu do partido que ajudou a fundar como uma das líderes da CUT, ao lado de Chico Mendes, e das Comunidades Eclesiais de Base. Os próximos capítulos desta novela prometem emoções fortes. E como qualquer novela, o desfecho vai depender da audiência, que mais uma vez, tem sua maioria feminina.
A mulherada brasileira vai definir que “companheira” o país deve ter nos próximos 4 anos. Os homens vão opinar. Mas a palavra final ficará a nosso cargo.

Enviado por: Sheila Aragão  04/10/2010 - 03:43