Ninguém se entende na crise do DEM

02/05/2010  -  02:16

imprimir enviar para amigo comente essa notícia

Brasília, 28 de janeiro de 2010-20h50 A situação é, no mínimo, estranha na Capital Federal. Já comentamos na semana passada que o momento (ou seria a eternidade?) política lembra o “Samba do crioulo Doido”. Uma hora, o deputado Alirio Neto dissolve a CPI da Corrupção, enquanto Cabo Patrício, presidente interino da Câmara Legislativa anuncia que vai manter a CPI e vai fazer eleições para a Presidência da Casa, abandonada pelo deputado Leonardo Prudente, que, prudentemente, renunciou ao cargo depois de encher os bolsos de dinheiro e ser flagrado por um vídeo gravado pelo denunciante do maior escândalo de Corrupção da História do País, Durval Barbosa, guardado pelo Programa de Proteção a Testemunha.

          Muito papo e pouca ação. Ou seria muita ação para evitar ações verdadeiramente contundentes? O negócio (a palavra é boa, né?) é que hoje o circo pegou fogo! Parlamentares envolvidos no escândalo do Mensalão do DEM ficaram escandalizados com a nota que o jornalista Ricardo Noblat divulgou na noite de terça-feira, dizendo que o governador Arruda estava pagando R$ 4 milhões para quem votasse contra o impeachment. E Noblat foi fundo na nota, explicando que o problema era “receber o numerário em espécie”. Haja espécie e local para guardar a contribuição, comentava Noblat.

          A história é que todos ficaram muito ofendidos: o governador, os que já receberam dinheiro anteriormente e aí, vai ter processo pra tudo quanto é lado. Noblat já avisou no Blog que o governador Arruda vai processá-lo. E os deputados distritais ofendidos querem provas do que Noblat falou.
Com isso, pára tudo na Câmara Legislativa e Eliana Pedrosa (também do DEM) pede pra sair da CPI, e seu suplente Geraldo Naves já estava ocupado, presidindo interinamente a CPI abandonada por Alírio Neto pressionado pelo seu partido o PPS, com medo de perder a legenda para as eleições de outubro. E aí???

          Tudo parado, esperando o ministro Fernando Gonçalves, relator do Caso do Mensalão do DEM no Superior Tribunal de Justiça, voltar do recesso no dia 1º de fevereiro. Falta pouco para a Caixa de Pandora ser aberta novamente e é, claro, que, diante da possibilidade de novas revelações, os envolvidos estejam de orelha em pé.

           No mexe e remexe da Câmara Legislativa do DF, o Cabo Patrício recebeu hoje uma Moção de Repúdio pelas suas atitudes. E de onde partiu a Moção? Dos DEM. Foram 10 assinaturas no documento, lido em plenário pelo deputado Geraldo Naves (DEM), os parlamentares alegam que Patrício, ao adiar a eleição do novo presidente da Casa para terça-feira que vem, está trabalhando para impedir as investigações contra o governo de José Roberto Arruda (sem partido).

          Ué? Não entendi nada! Os aliados do governador agora querem investigar o chefe? O mais doido é que assinam a Moção de Repúdio os deputados Geraldo Naves e Batista das Cooperativas (PRP), que não são citados. Além dos dois, Ailton Gomes (PR), Benedito Domingos (PP), Rogério Ulysses (sem partido), Junior Brunelli (PSC), Benício Tavares (PMDB), Roney Nemer (PMDB) e Eurides Brito (PMDB), todos citados no Processo do Mensalão. Agora a maior de todas: a décima assinatura não foi reconhecida pela assessoria da Casa. Mistério!!!!

          Nos próximos dias, como diriam as avós, este angu desanda. O ministro Fernando Gonçalves estará de volta e reabre a Caixa de Pandora. O negócio é ir falando no assunto e aguardando fevereiro chegar.

          E pra fechar, Lula está descansando em São Bernardo do Campo, depois de garantir a frase do dia, não é Noblat? 

          “A desgraça da política é que político deveria ter carimbado na testa aquele prazo de vencimento.”

          Depois de percorrer mais de 12 cidades em 14 dias e cumprir mais de 30 compromissos, o presidente aos 64 anos, com uma agenda que parece o Rali Paris-Dacar, segundo a Ministra Dilma Roussef,  tinha que dar uma paradinha no box para reabastecer as energias. Resultado, o piloto da Nação está de repouso sob recomendações médicas, pelo menos até segunda

Enviado por: Sheila Aragão  02/05/2010 - 02:16