Qual o melhor equipamento?

07/08/2011  -  22:00

imprimir enviar para amigo comente essa notícia

 Por Luiz Alves

 

Foto capturada com uma câmera de celular
Foto capturada com uma câmera de celular.  Foto Luiz Alves
 
Freqüentemente me perguntam qual o melhor equipamento, qual a melhor marca de máquina fotográfica etc. tal. Sempre respondo que o melhor equipamento é o que você possui. De nada adianta dizer que não fez tal foto porque não tinha tal equipamento. Qualquer celular ou máquina digital, por mais simples que seja tem mais tecnologia embarcada do que as máquinas utilizadas por: Cartier Bresson, Robert Capa, e tantos outros grande nomes da fotografia do século passado, e os nomes deles continuam até hoje no panteão dos grandes artistas fotográficos de nossa história.
 
De nada adianta comprar o ultimo modelo fotográfico que custou milhares de reais para utilizar no famoso “P”, afinal quem deve decidir a fotografia é o fotógrafo e não a máquina, isso compreende a abertura do diafragma, a velocidade do obturador, o ISO e outras regulagens antes de se chegar ao momento decisivo que é o de apertar o obturador para obter a foto desejada.
 
Quando se é um fotógrafo que entende de luz e composição (as regras básicas de uma boa fotografia) o equipamento facilita, mas a falta de um de ultima geração não o impede de se obter uma bela foto. Se em um determinado momento aparecer em sua frente um motivo que vale fazer uma foto e você estiver com apenas um celular, com uma camerazinha que nem na imaginação passa perto da maravilha tecnológica que por uma razão qualquer você deixou em casa, qual é o equipamento perfeito para você naquela hora? Claro, a sua camerazinha do celular. O que é preciso é conhecer bem o que está ao seu alcance, o que está em sua mão.
 
O melhor componente ótico e software do mercado ainda não foi substituído pelos seus olhos e seu cérebro. Interpretar a luz, a composição de uma cena são exercícios que nós fotógrafos fazemos todos os dias até inconscientemente, devido ao contínuo ato de fotografar. Todos nós temos em nossas memórias grandes fotos que não captamos com nossos equipamentos, mas que fazem parte de nossa galeria mental.
 
No Brasil, por décadas profissionais e amantes da fotografia ficavam torcendo para que algum amigo com mais recursos fosse viajar ao exterior para que nos trouxessem alguma coisinha de lá. Passávamos anos aguardando a possibilidade de se ter uma máquina mais atualizada. No Brasil, tudo caro, (ainda é hoje),  tal condição fez com que criássemos uma lenda de que apenas duas grandes marcas no mercado fossem as tais. Hoje se pode abrir grandes sites de fotografia e veremos que existem muito mais no paraíso fotográfico que poderíamos imaginar e poderemos ver também, as grandes imagens capturadas utilizando tais equipamentos. E
 
Em Brasília, temos o grande Zé Rosa ensinando a garotada e os mais velhos também a fotografar sem máquina fotográfica. Utilizando a técnica do pinhole: imagine uma criança descobrir que aquela lata de leite em pó que ela esvaziou pode se transformar em uma máquina fotográfica! Há também no momento, um crescimento da lomo fotografia, ou seja, mesmo com toda a tecnologia ao alcance sempre haverá alguém mostrando caminhos alternativos e até mais acessíveis a nossa realidade. Então que tal desincorporar o gênio consumista do melhor dos melhores e investir mais no conhecimento? Até porque conhecimento não ocupa espaço e nem esvazia bolso. Muito pelo contrário massagea o ego. 
 
Foto capturada com uma câmera de celular.  Foto Luiz Alves

* Luiz Alves é repórter fotográfico e escreve no onibode.blogspot.com

Enviado por: Luiz Alves  07/08/2011 - 22:00