Esporte & Comportamento

Fifa sabia sobre suborno e protegeu Teixeira e Havelange

12/07/201211:19

Twitter  Facebook imprimir enviar para amigo comente essa notícia

Foto: Divulgação

Membros da cúpula da Fifa sabiam sobre os pagamentos da empresa de marketing esportivo ISL a João Havelange, presidente de honra da entidade, e Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF. Mesmo assim, nada foi feito. A federação chegou até a justificar esses subornos. É o que fica demonstrado no documento da Justiça suíça tornado público ontem.

O atual presidente da Fifa, Joseph Blatter, era o secretário-executivo da entidade no período dos subornos. Tornou-se presidente em 1998. O cartola suíço não é citado no relatório judicial nem recebeu pagamentos.

"A descoberta que a Fifa tinha conhecimento dos pagamentos de subornos para pessoas de seus órgãos não é questionada [dentro da entidade]", disse o procurador Thomas Hildebrand.

Em outro trecho, testemunho do ex-chefe de finanças da Fifa revela que o pagamento de 1 milhão de francos suíços em suborno para Havelange foi depositado de forma equivocada na conta da entidade. O dinheiro foi transferido para a conta do brasileiro logo em seguida.

Um alto cartola da entidade --denominado no processo P1-- soube do caso. Há indicações de que P1 seria justamente Blatter.

Mas a Fifa, em nota, festejou a divulgação do dossiê da ISL. E tentou desvincular qualquer participação de seu presidente no caso.

"Nenhuma pessoa suíça envolvida", disse a entidade, citando trecho do documento judicial. "O nome de várias pessoas não acusadas e terceiras partes (...) não será revelado e continuará anônimo", relatou a Fifa, citando o documento.

Na ação, a Fifa diz que os pagamentos aos dirigentes são comissões pelos contratos e que não tentaria recuperar tais valores, como defendeu o procurador.

*Folha

JF