Esporte & Comportamento

Palmeiras fica perto do título da Copa do Brasil

06/07/201210:08

Twitter  Facebook imprimir enviar para amigo comente essa notícia

Foto: Folhapress

A vingança é um prato que se come frio, dizem os mais antigos. Para o Palmeiras, porém, foi muito saboroso. O time venceu o Coritiba na noite desta quinta-feira por 2 a 0, deu um grande passo para conquistar sua segunda Copa do Brasil e se vingou da vexatória eliminação para o time paranaense no torneio do ano passado, quando levou 6 a 0 nas quartas de final. Com o triunfo, fica perto de voltar a disputar a Taça Libertadores da América.

Agora, a equipe poderá até perder por um gol de diferença que será campeã. Derrota por dois gols, desde que marque fora de casa, também serve. Ao Coritiba restará uma vitória por três tentos de diferença. Repetição do 2 a 0 levará a decisão para os pênaltis.

O segundo e decisivo confronto será quarta-feira, às 21h50, no estádio Couto Pereira

Desfalcado de Henrique que, jogando de volante, foi o grande trunfo de Luiz Felipe Scolari para eliminar o Grêmio na semifinal, e de Barcos, operado para curar uma apendicite, o Palmeiras sofria em campo. Os dois, além de tudo, são os melhores do elenco nas bolas aéreas.

O Coritiba começou o jogo melhor. O time paranaense atuava fechado na defesa e explorava a velocidade de Rafinha e Everton Ribeiro para atacar.

O setor de marcação do Palmeiras era pesado e sofria na tentativa de parar a rápida dianteira dos garotos do técnico Marcelo Oliveira. Com uma forte pegada no meio de campo e saída em rápida, os volantes do Coritiba eram quem mais se destacavam. Júnior Urso perdeu gol cara a cara com Bruno e o goleiro palmeirense teve que fazer outra boa defesa em chute de Willian. Além disso, Gil chutou por cima.

O Palmeiras abusava das ligações diretas entre a defesa e o ataque, rifando a bola inúmeras vezes, permitindo que os visitantes tivessem o domínio do jogo. Titular pela primeira vez desde que foi vítima de um sequestro-relâmpago, Valdivia era o único palmeirense que se apresentava para o jogo e tentava algo em campo. Mas era pouco, os companheiros não acompanhavam o raciocínio do chileno.

No fim da primeira etapa Valdivia apareceu de novo e o Palmeiras abriu o placar. Primeiro ele sofreu falta que permitiu levantar bola na área paranaense. No lance, Jonas e Betinho se engalfinharam e pararam no chão. O juiz Wilton Sampaio assinalou pênalti. Com muita tranquilidade e categoria, o camisa 10 deslocou totalmente o goleiro Vanderlei. Na comemoração, ele homenageou Barcos.

O tento deu mais tranquilidade aos donos da casa, que apesar de terem sido amplamente dominados, desceram para os vestiários em vantagem. Já os paranaenses aproveitaram para reclamar da arbitragem.

No segundo tempo o Palmeiras, se continuava sem conseguir sair muito para o jogo, pelo menos conseguia arrefecer a pressão do Coritiba, deixando a equipe paranaense mais longe do gol de Bruno.

O que estava bom ficou melhor aos 18min. Marcos Assunção cobrou falta na cabeça de Thiago Heleno, que mandou no ângulo de Vanderlei e ampliou para 2 a 0, deixando o Palmeiras com uma confortável vantagem.

Só que aí Valdivia, que fazia grande jogo, acertou uma cotovelada em Willian e recebeu amarelo. Como já tinha recebido um no primeiro tempo, foi expulso, deixando o Palmeiras com dez em campo aos 27min.

Quando era de se imaginar que o Coritiba, por ter um jogador a mais, passaria a ser mais efetivo, uma vez que já tinha o controle do jogo, o que se viu foi um Palmeiras mais incisivo nos contra-ataques.

Na melhor chance, Maikon Leite foi lançado, driblou o goleiro Vanderlei, mas perdeu ângulo e o chute, fraco, foi parado por Pereira antes que pudesse ultrapassar a linha fatal. Só que o placar se manteve inalterado. Ótimo para o Palmeiras, cuja torcida gritava que era "festa no chiqueiro", deixando a equipe perto de um título nacional depois de 12 anos.

*Folha
JF