Economia & Finanças

Depois do otimismo, péssimas notícias para prefeitos

10/04/200918:20

Twitter  Facebook imprimir enviar para amigo comente essa notícia

A frustração é grande entre os prefeitos ao ouvir do presiente Luiz Inácio Lula da Silva que terão de apertar o cinto. Muitos prefeitos venceram as eleições, mas encontraram as finanças das prefeituras na maior pindaíba. Esse fato já acendeu o sinal de alerta de várias administrações municipais. A tomada do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) deixou ainda mais à mingua as prefeituras de médio e pequeno portes. O presidente Lula disse nesta segunda-feira, 6,  que a queda na arrecadação do governo federal implicará na redução dos recursos distribuídos às prefeituras brasileiras. Em cerimônia de inauguração da usina de biodiesel Darcy Ribeiro, da Petrobras, o presidente disse que o governo busca saídas para amenizar o impacto da crise financeira internacional sobre as prefeituras que estão "no sufoco".

          "Essa semana teremos uma reunião com a minha presença e o que eu poderia dizer aos prefeitos é o seguinte: todos nós teremos que apertar o cinto, mas nenhum de nós vai morrer na seca como os municípios brasileiros já morreram durante tanto e tanto tempo", afirmou.

          Além disso, Lula afirmou que a base para tal previsão é a expectativa de que os efeitos da crise sejam resolvidos no Brasil até o fim do ano. "Vamos tentar criar as condições para isso, sempre torcendo que a economia está dando alguns sinais de recuperação, sempre trabalhando com a ideia de que nós vamos ter um segundo trimestre melhor do que o primeiro e um terceiro melhor do que o segundo para a gente chegar no fim do ano com a situação normalizada", disse.

          O presidente afirmou ainda que o governo federal deve anunciar novas medidas para combater a crise, a exemplo da prorrogação por mais três meses da redução da cobrança do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para a compra de carros novos, divulgada na semana passada. "Vamos anunciar mais coisas para enfrentar a crise. Porque nessa crise a gente não pode ficar parado", disse.

AÉCIO X DILMA

          O governador de Minas Gerais e pré-candidato tucano a presidente, Aécio Neves, também participou do evento. Em discurso, ele enfatizou a importância de unir esforços do governo federal e estadual para viabilizar projetos.

          A ministra Dilma Roussef (Casa Civil) esteve na cerimônia na companhia dos petistas Jaques Wagner (BA), Marcelo Déda (SE) e Wellington Dias (PI) e dos aliados do PSB Eduardo Campos (PE), Wilma Faria (RN) e Cid Gomes (CE), dos peemedebistas do Espírito  Santo, Paulo Hartung, e da Paraíba, José Maranhão, além do pedetista Jackson Lago (MA). 

          Na pauta do dia, está ainda o 10º Fórum de Governadores do Nordeste e da 5ª Reunião do Conselho Deliberativo da Superintendência do Desenvolvimento do Nordeste (Sudene) que acontece nesta segunda, em Montes Claros. O fórum foi criado para discutir ações de desenvolvimento para a região a serem defendidas junto ao governo federal e tem como um dos objetivos definir ações capazes de acelerar o desenvolvimento sustentável, promover a melhoria da qualidade de vida e a geração de emprego e renda para uma população estimada em 55 milhões de habitantes que vivem na área de abrangência da Sudene.

          A escolha de Montes Claros para sediar a reunião é emblemática. Há 25 anos, sob o comando de Tancredo Neves, avô de Aécio, Montes Claros abrigou o Fórum de Governadores do Nordeste. Opine. Com informações do G1. (Maurício Nogueira)