Economia & Finanças

IBGE: produção industrial cresce em oito regiões

06/07/200910:10

Twitter  Facebook imprimir enviar para amigo comente essa notícia

Dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE informam que, no mês de maio, em oito das 14 regiões pesquisadas houve um avanço da produção industrial. Os crescimentos mais fortes ocorreram no Amazonas e na Bahia, com 11,7% e 7,5%, respectivamente. Já em São Paulo, a indústria cresceu 2,4% no período, descontando-se os efeitos sazonais. Além disso, a produção industrial também cresceu na região Nordeste (1,8%) e em Minas Gerais (1,4%). As duas regiões tiveram alta superior à observada na média nacional, de 1,3% em maio. Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro tiveram crescimento de 0,6%, ao passo que Pernambuco manteve a produção industrial estável (0%), repetindo o resultado do mês anterior.

          As regiões com recuo na produção foram Espírito Santo (-0,6%), Goiás (-1,2%), Paraná (-4,1%), Ceará (-4,3%) e Pará (-5,6%).

          Na comparação com maio de 2008, todos os 14 locais pesquisados registraram taxas negativas. Os piores desempenhos ocorreram em São Paulo (-11,6%), Paraná (-11,9%), Bahia (-12,3%), Pará (-14,1%), Minas Gerais (-20%) e Espírito Santo (-29%). Nas demais regiões, os resultados ante igual mês do ano passado foram os seguintes: Goiás (-4,8%); Rio de Janeiro (-5,9%); Ceará (-6,3%); Pernambuco (-7,1%); Amazonas (-9,5%); Santa Catarina (-10,4%); na região Nordeste (-11,1%) e Rio Grande do Sul (-8,1%).

         No índice acumulado nos cinco primeiros meses de 2009, também houve recuo em todas as áreas pesquisadas, sendo que as quedas principais foram registradas no Espírito Santo (-30,1%), Minas Gerais (-22,8%), Amazonas (-17,8%), Rio Grande do Sul e São Paulo (ambos com -14,6%) e Santa Catarina (-14,1%). Os outros resultados negativos no acumulado do ano até maio ficaram com Bahia (-12,5%), região Nordeste (-10,9%), Pernambuco (-9,7%), Rio de Janeiro (-8,7%), Pará (-8,3%), Ceará (-6,3%), Goiás (-5,9%) e Paraná (-3,7%). (Maurício Nogueira)