Economia & Finanças

Cheque especial puxa para cima inadimplência recorde de 8,6%

25/06/200912:19

Twitter  Facebook imprimir enviar para amigo comente essa notícia

A inadimplência dos consumidores brasileiros subiu em maio e chegou a 8,6% dos empréstimos do sistema bancário, segundo dados do Banco Central. É a taxa mais alta da série histórica do BC, iniciada em junho de 2000. Em praticamente todas as modalidades houve alta, entre elas, o cheque especial (de 10% para 10,8%) e o crédito para aquisição de bens (de 14,6% para 15,8%)."O que puxou nesse mês de maio a inadimplência foi o cheque especial, que foi a maior da série", disse o chefe do Departamento Econômico do BC, Altamir Lopes.

          São considerados inadimplentes os empréstimos com atraso superior a 90 dias. Isso significa que o indicador ainda reflete os efeitos da crise internacional de crédito, que provocou alta dos juros e redução dos empréstimos.

           "Agora é que os números estão refletindo aquele momento da crise. O que se espera é que, com a regularização dessas linhas de crédito, as famílias votem a honrar os seus compromissos. É o crescimento do crédito que vai levar à redução das taxas de juros e da inadimplência", afirmou.

            Altamir afirmou que o indicador deve voltar ao patamar pré-crise, de cerca de 4%, até o final do ano. Em 2000, quando o indicador chegou ao patamar máximo, demorou nove meses para voltar a esse nível. No caso das empresas, a inadimplência passou de 2,9% para 3,2%, maior desde 2001.

           A inadimplência geral --que inclui pessoas físicas e jurídicas-- subiu pelo sexto mês consecutivo e chegou a 5,5% dos empréstimos. É a taxa mais alta desde junho de 2000 (5,6%), ou seja, a segunda mais alta da série histórica do BC.

          A alta da inadimplência acontece em um cenário de queda dos juros e retomada do crédito. Os juros bancários recuaram em maio pelo sexto mês consecutivo. A taxa média geral, incluindo pessoa física e jurídica em todas as modalidades pesquisadas pelo BC, caiu de 38,6% para 37,9% ao ano. É menor taxa desde maio de 2008, quando estava em 38,6 ao ano.

          Também houve uma pequena queda no "spread" bancário, a diferença entre a taxa de captação dos bancos e os juros cobrados nos empréstimos para os clientes. Segundo o BC, o "spread" caiu de 28,2 pontos percentuais para 28,1 pontos no mês passado. A taxa, porém, ainda está acima da registrada em setembro (26,4 p.p.), época do agravamento da crise.

CHEQUE

          Para o consumidor, os juros recuaram mais, de 48,8% para 47,3% ao ano, melhor resultado desde dezembro de 2007 (43,9%). Para as empresas, os juros caíram de 28,8% para 28,5% ao ano (menor desde setembro). Houve queda nos juros ao consumidor em praticamente todas as modalidades verificadas pelo BC, com exceção do cheque especial, que subiu de 166,3% para 167,8% ao ano. O crédito pessoal caiu de 48,8% para 46,6% ao ano. Na aquisição de veículos, a taxa passou de 29,9% para 29,2% ao ano. (Maurício Nogueira)