• Sem categoria
  • 5 out 2015

Mesmo com um a menos, Figueirense mostra força e vence o Goiás

Em um jogo movimentado, principalmente na segunda etapa, o Figueirense venceu o Goiás por 3 a 2, neste domingo, no Serra Dourada, em Goiânia. O time da casa saiu na frente nos acréscimos do primeiro tempo, com gol de pênalti de Zé Love. O Figueirense ainda teve Carlos Alberto expulso antes do intervalo. No segundo tempo, o Alvinegro catarinense virou a partida com dois gols de Dudu em três minutos. O empate do Esmeraldino saiu em um gol contra de Leandro Silva, mas Rafael Bastos colocou o Figueira novamente na frente e selou a vitória.

Com o resultado, o Figueirense foi a 31 pontos, mesma pontuação do Goiás, mas permaneceu na zona de rebaixamento. O Esmeraldino, por sua vez, não conseguiu fazer valer o mando de campo e se mantém perigosamente próximo da região incômoda da tabela.

Na próxima rodada, quinta-feira dia 15 de outubro, o Goiás vai a São Paulo enfrentar o líder Corinthians, às 19h30 (de Brasília). No dia anterior, o Figueirense recebe o Flamengo, no Orlando Scarpelli, às 22h (de Brasília).

O jogo – O Figueirense deu o pontapé inicial e com menos de um minuto já finalizou pela primeira vez. Carlos Alberto arrancou livre pelo centro do campo e chutou. A bola foi no meio do gol e facilitou a defesa de Renan. O lance despertou o Goiás, que passou a apertar a saída de bola dos catarinenses.

O Esmeraldino teve chance clara de gol aos quatro minutos, com Érik. O atacante invadiu a área do adversário, ficou cara a cara com Alex Muralha e chutou no canto esquerdo. A bola passou perto da trave e assustou o goleiro do Figueirense, que respondeu logo na sequência. Carlos Alberto puxou contra-ataque, esperou a chegada de um companheiro e rolou na direita para Fabinho. O volante ficou na frente de Renan, chutou cruzado, mas viu o arqueiro do Goiás fazer a defesa e evitar o gol.

As duas equipes criavam oportunidades de abrir o placar, mas o Figueirense levava mais perigo. Aos 10 minutos, Renan trabalhou novamente. Juninho apareceu pela esquerda, fez a finta para dentro e, de perna direita, bateu rasteiro para defesa tranquila do goleiro esmeraldino. Aos 22, Clayton tocou para Dudu dentro da área. O atacante girou e finalizou. Renan desviou de leve, o suficiente para tirar a bola da direção do gol. Logo depois, após cobrança de escanteio, a bola sobrou para Thiago Heleno, que chutou forte e assustou o goleiro do Goiás.

O time da casa voltou a finalizar na marca de 35 minutos. Rafael Forster avançou pela esquerda e cruzou para a área. Bruno Henrique cabeceou, mas mandou por cima da meta defendida por Alex Muralha. Aos 43, Érik recebeu de costas para o gol, girou e chutou forte. A bola passou perto e assustou Alex Muralha. Dois minutos depois, o mesmo Érik acertou o travessão e por pouco não abriu o placar.

A insistência do Goiás teve resultado aos 49 minutos. Érik tentou uma bicicleta dentro da área e a bola bateu na mão de Thiago Heleno. O árbitro apontou a marca da cal. Zé Love foi para a cobrança do pênalti e balançou as redes. Pouco tempo antes, Carlos Alberto foi expulso ao reclamar de uma marcação do assistente. O primeiro tempo terminou com a vitória parcial do Esmeraldino.

Com a vantagem numérica de jogadores em campo, o Goiás aparecia com mais frequência no ataque, mas errava a conclusão das jogadas. O Figueirense se fechava na defesa e esperava os contra-ataques. Aos cinco minutos, Dudu foi lançado pela direita, invadiu a área e caiu ao disputar a bola com Fred. O time inteiro reclamou de pênalti, mas o árbitro Ricardo Marques Ribeiro mandou o jogo seguir.

O pênalti não marcado pareceu dar mais vontade ao Figueirense, especialmente a Dudu, que precisou de apenas três minutos para virar a partida. Aos 11, Clayton fez boa jogada pela esquerda e cruzou para Dudu, no meio da área, desviar para o fundo das redes. Aos 14, em lance quase idêntico, Clayton escapou novamente pelo lado esquerdo e rolou para Dudu chegar chutando na saída de Renan.

O Goiás não se abalou com os dois gols tomados em sequência e foi buscar o empate, que veio aos 21 minutos. Rafael Forster cruzou da esquerda e o lateral direito do Figueirense, Leandro Silva, desviou para o próprio patrimônio ao tentar cortar o cruzamento. Mesmo com um a menos, os visitantes não abriam mão de atacar. Renan salvou o Goiás aos 25, quando Yago finalizou de dentro da área e quase fez o terceiro do Figueira.

Os donos da casa também se mandavam para o ataque, na tentativa de comandar novamente o placar. Aos 30, Bruno Henrique invadiu a área pela direita e cruzou na medida para Érik. O atacante esmeraldino chutou de primeira, mas pegou mal na bola e mandou por cima do gol, sem perigo para Alex Muralha. Patrick ainda teve uma chance de cabeça, aos 38 minutos, mas mandou por cima, longe do gol.

O Figueirense não se contentava com o empate e foi premiado aos 41 minutos. Rafael Bastos aproveitou erro na saída de bola do Goiás e arriscou de fora da área. O chute foi forte e rasteiro, sem chances para Renan. O gol sofrido obrigou o Goiás a ir com tudo para cima em busca do empate. Érik quase conseguiu, aos 45, mas Alex Muralha evitou. Ficou por isso mesmo, o Figueirense conquistou uma vitória heroica com um jogador a menos em campo por toda a etapa final.

 

FICHA TÉCNICA

GOIÁS 2 X 3 FIGUEIRENSE

 

Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia (GO)

Data: 4 de outubro de 2015, domingo

Horário: 16h (de Brasília)

Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (FIFA-MG)

Assistentes: Guilherme Dias Camilo (FIFA-MG) e Marcio Eustáquio S. Santiago (MG)

Cartões amarelos: Bruno Henrique (Goiás); Juninho, Thiago Heleno, Fabinho, Bruno Alves (Figueirense)

Cartão vermelho: Carlos Alberto (Figueirense)

 

GOLS

GOIÁS: Zé Love (de pênalti), aos 49 min do primeiro tempo, e Leandro Silva (contra), aos 21 min do segundo tempo.

FIGUEIRENSE: Dudu, aos 11 e aos 14 min do segundo tempo, e Rafael Bastos, aos 42 min do segundo tempo.

 

GOIÁS: Renan; Gimenez, Alex Alves, Fred e Rafael Forster; Patrick, David (Lucas Coelho) e Felipe Menezes (Liniker); Bruno Henrique, Érik e Zé Love (Carlos)

Técnico: Artur Neto

 

FIGUEIRENSE: Alex Muralha; Leandro Silva, Bruno Alves, Thiago Heleno e Juninho; Fabinho, João Vitor, Yago (Rafael Bastos) e Carlos Alberto; Clayton (Thiago Santana) e Dudu (Bruno Dybal)

Técnico: Hudson Coutinho

Fonte: Gazeta Esportiva