Brasília, 19 de janeiro de 2018
24 ago 2017

LAVA JATO: PRESSÃO NO CORAÇÃO MATA PIRES, PRESIDENTE DA OAS

O coração do presidente da OAS, César Mata Pires, parou.

A pressão nos depoimentos em delação premiada na operação Lava Jato, levou o empresário que caminhava esta manhã (22), no bairro do Pacaembu, em São Paulo ao óbito.

César Mata Pires e o sócio Léo Pinheiro, estão em processo de delação premiada revelando o esquema de corrupção que alimenta políticos, partidos políticos e outros com os recursos públicos.

A operação Lava Jato, revelou que as duas maiores empreiteiras do país, OAS e Odebrecht, serviram de canal para o derrame no proprinoduto que abasteciam políticos e partidos.

Mata Pires, negociou a delação premiada com o Ministério Público para poupar seus filhos herdeiros da considerada segunda maior empreiteira do país.

Laços familiares do presidente do Congresso Nacional, Eunício Oliveira, também foram mencionada na delação premiada que usou material apreendido na empresa Confederal Vigilância e Transporte de Valores Ltda, de propriedade de Eunício Oliveira e gerida pelo sobrinho Ricardo Augusto que a época foi conduzido coercitivamente pela Polícia Federal.

Manuella Paes de Andrade Lopes Oliveira, filha de Eunício é casada com o herdeiro da OAS, primogênito de Mata Pires.

Léo Pinheiro, sócio minoritário de Mata Pires, aguardava a homologação da delação premiada que estava vinculada a de Mata Pires. Agora, com a morte do empresário o Supremo deve chancelar a delação de Léo Pinheiro que leva o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e vários caciques da política nacional para o fosso da Lava Jato.