Kriptacoin: MP quer recuperar R$ 10 milhões com leilão de carros e helicóptero apreendidos no DF

O Ministério Público do Distrito Federal quer leiloar os 15 carros de luxo e o helicóptero apreendidos na investigação contra o esquema de pirâmide financeira envolvendo uma falsa moeda virtual, batizada de Kriptacoin. A intenção é recuperar cerca de R$ 10 milhões e evitar que os bens se desvalorizem. Isso causaria ainda mais prejuízo às vítimas, que aguardam a devolução do dinheiro “investido”.

O pedido do MP à Justiça sobre o leilão foi feito na quinta-feira (8) em um documento de 88 páginas. Batizado de “memorial”, ele reforça a denúncia e faz um balanço de tudo o que foi levantado sobre o assunto – incluindo laudos e depoimentos. O compilado também deve ser feito pela defesa dos 14 réus. As últimas ponderações servirão para basear a decisão do juiz, já em uma fase de reta final do processo.

Carro de luxo, avaliado em R$ 350 mil, pertencia a um dos presos pelo golpe da moeda Kriptacoin, no DF (Foto: Guilherme Timóteo/TV Globo)Carro de luxo, avaliado em R$ 350 mil, pertencia a um dos presos pelo golpe da moeda Kriptacoin, no DF (Foto: Guilherme Timóteo/TV Globo)

Carro de luxo, avaliado em R$ 350 mil, pertencia a um dos presos pelo golpe da moeda Kriptacoin, no DF (Foto: Guilherme Timóteo/TV Globo)

“A cada dia que passa, os bens perdem valor. Antes, o processo levava anos até ser possível fazer o leilão. Agora, não precisa mais esperar o trânsito em julgado [quando não cabe mais recurso]. Com isso, queremos que seja feito o leilão para o dinheiro ficar em uma conta judicial”, afirmou o promotor responsável pelo caso, Paulo Binicheski.

“Queremos impedir que o bem fique estragando, que ele perca o valor. Neste momento, o que prevalece é o interesse público.”

Com a venda dos carros que estão parados no depósito da Polícia Civil, o MP estima que vai recuperar cerca de R$ 10 milhões. Juntando com os R$ 5 milhões que foram encontrados em contas bancárias dos réus (incluindo até investimentos em previdência privada para “esconder melhor o dinheiro”), isso dá R$ 15 milhões, que deverão ser rateados entre as vítimas.

Isso é apenas 25% do dinheiro movimentado pelo esquema financeiro. Dois laudos apresentados à Justiça comprovaram que a lavagem de dinheiro alcançou um montante de R$ 58 milhões. No entanto, o valor do prejuízo deve ser ainda maior: ainda há expectativa de sair um terceiro laudo, indicando que mais dinheiro foi usado na fraude.

Trecho do memorial do MP reforçando denúncia (Foto: Reprodução)Trecho do memorial do MP reforçando denúncia (Foto: Reprodução)

Trecho do memorial do MP reforçando denúncia (Foto: Reprodução)

Dinheiro guardado

No entendimento do promotor Paulo Binicheski, o dinheiro da Kriptacoin deveria ser guardado em uma conta única até o fim do processo – e só no final a soma deveria ser distribuída entre as vítimas.

“Pessoas que foram prejudicadas entraram com ação e conseguiram ordem para reservar o valor delas [independentemente do total recuperado]. Mas tem gente que não fez isso. Estão esperando o fim do processo para ir atrás. Daí vai chegar um momento em que o ressarcimento nem vai fazer mais cócegas. O que estou sugerindo é que se conserve todo o dinheiro e se faça um rateio final.”

Polícia Civil ao cumprir mandado de prisão e busca e apreensão na casa de um dos donos da Kriptacoin, em Vicente Pires, no DF  (Foto: Lázaro Aluísio/TV Globo)Polícia Civil ao cumprir mandado de prisão e busca e apreensão na casa de um dos donos da Kriptacoin, em Vicente Pires, no DF  (Foto: Lázaro Aluísio/TV Globo)

Polícia Civil ao cumprir mandado de prisão e busca e apreensão na casa de um dos donos da Kriptacoin, em Vicente Pires, no DF (Foto: Lázaro Aluísio/TV Globo)

Destruição de documentos falsos

Um terceiro pedido do MP à Justiça é para cancelar de vez os documentos falsos usados pelos réus. São carteiras de identidade e CPFs “verdadeiros”, a maioria feita em Goiás, mas com base em dados falsos.

“Só um dos envolvidos tem sete documentos falsos. Alguns deles foram usados em outros golpes. Não se sabe como conseguiram, nem disseram a mando de quem. Mas sabemos que eles usavam formulários de certidões de nascimento do Piauí e iam na Secretaria de Segurança Pública de Goiás fazer os documentos.”

“Era extremamente fácil. Com isso, eles abriam as empresas, registravam nas juntas comerciais, abriam contas e colocavam carros nos nomes.”

Polícia Civil ao cumprir mandado de prisão e busca e apreensão na casa de um dos donos da Kriptacoin, em Vicente Pires, no DF (Foto: Guilherme Timóteo/TV Globo)Polícia Civil ao cumprir mandado de prisão e busca e apreensão na casa de um dos donos da Kriptacoin, em Vicente Pires, no DF (Foto: Guilherme Timóteo/TV Globo)

Polícia Civil ao cumprir mandado de prisão e busca e apreensão na casa de um dos donos da Kriptacoin, em Vicente Pires, no DF (Foto: Guilherme Timóteo/TV Globo)

Relembre

Essas demandas do Ministério Público serão levadas em consideração pelo juiz Osvaldo Tovani, da 8ª Vara Criminal, no dia do julgamento. Ele não tem prazo para ocorrer. Enquanto isso, quatro alvos continuam presos por tempo indeterminado.

A acusação do grupo é pelos crimes de pirâmide financeira, estelionato, organização criminosa e lavagem de dinheiro. Juntos, os crimes rendem 15 anos de prisão.

Lamborghini apreendida com suspeitos de envolvimento em esquema de pirâmide no DF (Foto: Polícia Civil/Divulgação)Lamborghini apreendida com suspeitos de envolvimento em esquema de pirâmide no DF (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Lamborghini apreendida com suspeitos de envolvimento em esquema de pirâmide no DF (Foto: Polícia Civil/Divulgação)

Fonte: Quidnovi/G1