Brasília, 20 de fevereiro de 2018
4 jul 2015
Sem categoria

Homem agride atendentes de escola e diz ser capitão do Corpo de Bombeiros

Vídeos foram publicados na internet com a discussão entre ele e as atendentes de um centro de línguas em Santa Maria

Isa Stacciarini

Funcionárias de uma escola de idiomas em Santa Maria filmaram a ação de um homem descontrolado dentro da instituição de ensino no início da tarde desta sexta-feira (3/7). Ele é avô de uma criança que tinha ido com a turma de alunos para um passeio no zoológico com autorização dos responsáveis. O homem, que na gravação se identifica como capitão do Corpo de Bombeiros, foi buscar o neto na escola, mas o grupo não tinha retornado do passeio. Sem notícias da criança, ele grita com as funcionárias e, segundo uma auxiliar administrativa, uma executiva de vendas teria sido agredida pelo militar. Ela ainda denuncia que o homem jogou cadeiras no chão.

 

Em nota, o Corpo de Bombeiros afimou que irá apurar o caso e, se tratar efetivamente de um bombeiro militar, “a conduta é inadmissível e será aberto procedimento disciplinar”. Na gravação, o homem aparece em meio às cadeiras no chão. Aos gritos, ele argumenta que “são 14h, a criança tem prova, vocês falam que ela vai chegar 12h30 e até agora nada”. Uma das funcionárias se desespera, chora, e pede calma. O homem circula pela entrada da escola, bate as mãos, e gesticula. “Eu quero meu neto aqui, cadê meu neto aqui, vocês somem com a criança. Cadê?”, pergunta.

Uma das profissionais fala que vai denunciar o homem, porque ele a teria agredido. Descontrolado, ele afirma: “Denuncia. Eu sou capitão do Corpo de Bombeiros, pode denunciar, chama agora. Eu mostro minha identidade e está tudo certo”, provoca. A mulher, então, rebate: “Você é capitão do Corpo de Bombeiros e aí o senhor pode agredir as pessoas? O senhor tem que ter calma. Se está com problema pessoal tudo bem, mas não pode vir para a escola fazer escândalo”, diz.

As funcionárias choram. Uma delas diz que filmou a ação, afirma que foi agredida pelo homem e recebe apoio para ir à delegacia registrar ocorrência. A auxiliar administrativa Paula Branco, 27 anos, contou que o horário previsto para o retorno das crianças era 12h30, mas houve atraso. “Os alunos iam ter um piquenique no espaço. Foram para o passeio em torno de 25 a 30 crianças com autorização assinada pelos responsáveis e telefone registrado”, explicou.

Segundo ela, o homem compareceu à escola duas vezes: “O avô veio buscar a criança, mas o grupo ainda não tinha chegado. Ele foi embora, mas voltou alterado depois de meia hora, quebrou e chutou cadeiras, gritou com as funcionárias, se aproximou da executiva de vendas que estava filmando tudo e a agrediu”, alegou.

A vítima compareceu à 33ª Delegacia de Polícia (Santa Maria) e registrou ocorrência. Na tarde de sexta-feira ela foi encaminhada ao Instituto de Medicina Legal (IML) para exame de corpo delito.