• Sem categoria
  • 21 set 2015

Com umidade em 11%, Defesa Civil declara estado de emergência no DF

Índice foi registrado em dois dias consecutivos no fim de semana, diz órgão.
Seca requer cuidados especiais, como ingestão de água e ‘fuga’ do sol forte.

Do G1 DF

A Defesa Civil do Distrito Federal declarou estado de emergência em toda a capital neste domingo (20), por causa do tempo seco e quente registrado no fim de semana. A umidade relativa do ar alcançou índice mínimo de 11% no sábado (19) e no domingo, segundo o órgão. O Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) registrou mínimos de 15% e 14%, respectivamente.

O estado de emergência é declarado quando o percentual fica abaixo de 12%. No início do mês, o DF entrou em “estado de alerta”, identificado quando a umidade é menor que 20%. Neste domingo, a temperatura máxima registrada foi de 33,1 ºC, segundo o Inmet.

Os índices entre 10% e 15% aproximam o DF da umidade registrada no deserto do Saara, na África. Segundo a Defesa Civil, a Organização Mundial de Saúde (OMS) entende como “ideal” uma medição de 60%.

Durante o estado de emergência, o órgão recomenda a suspensão das atividades físicas e trabalhos ao ar livre (pode de árvores, coleta de lixo e entrega de cartas, por exemplo) entre 10h e 16h, quando o sol forte derruba ainda mais a umidade.

Incêndios
A baixa umidade também acende alerta no Corpo de Bombeiros, que precisa intensificar o combate às chamas que se espalham pela capital. Durante o fim de semana, focos de incêndio foramregistrados no Altiplano Leste, no Setor Sul do Gama e no campus Plano Piloto da UnB.

Na sexta (18), uma queimada próxima a uma subestação de Furnas causou o desligamento automático de circuitos de transmissão de energia elétrica. Segundo a CEB, 34% das unidades consumidoras do DF ficaram sem eletricidade durante a tarde. O sistema foi normalizado no mesmo dia, mas a luz continuou a oscilar ao longo do fim de semana.

Confira algumas medidas recomendadas pelo GDF durante a seca:

– Aumentar a ingestão diária de líquidos (água, água de coco) independente de apresentar sede ou não (beber pelo menos 06 copos de água de tamanho médio);

– Evitar os banhos prolongados com água quente e o uso excessivo de sabonete, para não eliminar totalmente a oleosidade natural da pele;

– Pingar duas gotas de soro fisiológico em cada narina, pelo menos 6 vezes ao dia. Este procedimento evita o ressecamento nasal, diminuindo a ocorrência de sangramento;

– Evitar o uso de aparelhos de ar-condicionado, pois eles retiram ainda mais a umidade do ambiente;

– Trajar roupas adequadas às condições do tempo. Usar roupas leves e claras, e se possível de algodão;

– Fazer refeições leves, incluindo frutas e verduras sempre que possível;

– Evitar exercícios físicos e atividades que atinjam grande esforço no período das 10h às 16h, ao ar livre. Neste período, a insolação e evaporação atingem seus índices máximos;

– Usar protetor solar, creme hidratante ou óleo vegetal em abundância para evitar o ressecamento da pele;

– Optar pelo uso de sombrinha ou guarda-chuva no período mais quente;

– Sempre que possível permanecer em locais protegidos do sol em áreas com vegetação;

– Recomendar a suspensão de atividades que exijam aglomerações de pessoas em ambientes fechados, entre 10 e 16 horas;

– Usar umidificador, ou colocar toalhas molhadas e bacias com água nos quartos durante todo o dia. Isso ajuda a manter o ambiente úmido;

– As crianças e os idosos são os que mais sofrem com a baixa umidade, pois as crianças estão com o organismo em formação, enquanto que os idosos são mais sensíveis a mudanças bruscas de ambiente. No entanto, o mal-estar causado pela baixa umidade pode ocorrer com pessoas de qualquer faixa etária.