Brasiliense Renato Moicano, disputa a categoria peso pena no UFC no próximo sábado (7)

No sábado, um brasiliense entra no octógono em busca de mais uma vitória no UFC. Renato Carneiro, mais conhecido como Moicano, disputa a categoria peso pena e tenta vencer sua quarta luta na organização diante do norte-americano Calvin Kattar, no UFC 223, em Nova York.

Até chegar à maior organização de artes marciais mistas do mundo, Moicano passou por dificuldades, encontrou as vitórias no Jungle Fight Brasil e chegou ao UFC com status de campeão.

A longa história de Renato Moicano com a luta começou na infância, com o judô, e já dura cerca de 23 anos. “Eu digo que a minha carreira começou lá, porque eu nunca mais parei de treinar e sempre estive envolvido com luta”, conta o atleta.

Só que Moicano não podia estar 100% focado no esporte, e tinha que dividir o seu tempo com outras coisas. O brasiliense chegou a entrar na faculdade, mas, por falta de dinheiro, precisou largar os estudos. “Eu fui me dedicar a dar aulas na academia em que treinava. Comecei abrindo uma turma de Muay Thai e depois de MMA”, disse.

Mas a falta de patrocínio não foi suficiente para fazê-lo desistir do sonho. Insistente, essa paixão o levou a um dos eventos mais importantes do Brasil, o Jungle Fight.

E foi a organização brasileira que abriu a porta mais importante da carreira de Moicano. O desempenho vitorioso, que contou com oito vitórias nas oito lutas que disputou, o colocou, em julho de 2013, no topo da categoria peso pena.

Não demorou muito para Renato Moicano receber a ligação que todo atleta de MMA sonha. “É difícil descrever a alegria que eu senti quando me ligaram dizendo que eu ia lutaria no UFC”, lembra. Segundo ele, aquela oportunidade, que veio em dezembro de 2014, não era esperada naquele momento, mas a satisfação e a vontade de vencer eram enormes.

E Moicano deu show em sua estreia no UFC, ao vencer o finlandês Tom Niinimaki, por finalização, com um mata leão no segundo round. “Eu ganhei um bom dinheiro na minha primeira luta. Usei a grana para abrir a minha academia, a First Fight Center, em Brasília”.

Após mais duas vitórias na organização, contra o russo Zubaira Tukhugov e o norte-americano Jeremy Stephens, o brasiliense acabou derrotado em sua última luta diante do americano Brian Ortega.

Moicano busca agora se recuperar no UFC diante de Calvin Kattar. Segundo o lutador, o confronto promete ser difícil, mas o candango mostra confiança. “Eu tenho que estar tranquilo, porque o importante é a gente estar feliz para conseguir mostrar o nosso trabalho da melhor maneira possível”, afirmou o atleta. “O Kattar é um adversário duro, mas a gente vai para a vitória”.

Mesmo como ponto forte a luta no chão, o lutador mantém cautela quanto ao estilo para o sábado. “Talvez esse seja o caminho, mas a luta é de MMA, então a gente tem várias possibilidades”, reconhece.

Saiba Mais

Renato Moicano venceu 11 das 13 lutas que disputou. No Jungle Fight foram oito vitórias em oito lutas. No Shooto Brasil, empatou a única luta que disputou. Já no UFC, foram quatro confrontos, com três vitórias e apenas uma derrota, contra Brian Ortega, atual número 1 dos peso pena.

Para se inspirar, o lutador brasiliense observa diversos companheiros, como Khabib, Holloway, o ex-campeão José Aldo, entre outros. “Eu acho que todo lutador tem algo bom, então eu procuro me inspirar para me tornar um lutador melhor”, explica.

 

Fonte: Quidnovi/Jornal de Brasília