Brasil vence México por 2 x 0 e avança às quartas

O primeiro tempo cumpriu o roteiro. O México sufocou os laterais do Brasil com inversões de posição de Vela e Lozano. Um “Deus” nos acuda até os 25 minutos. Como se não bastasse o forte calor e o clima de Estádio Azteca na Arena Samara — os mexicados pareciam jogar em casa —, a bola ficava passando toda hora na frente da meta de Alisson. Para sorte dele, ninguém finalizava. Quando o adversário chutava, faltava pontaria.
A melhor oportunidade do Brasil saiu dos pés de Neymar. O camisa 10 entortou a defesa do México, ajeitou a bola e chutou sem ângulo. Ochoa interceptou o perigo. O goleiro também trabalhou em uma finalização de Gabriel Jesus. O rebote não sobrou para Neymar por muito pouco dentro da pequena área.
Como a proposta de jogo do primeiro tempo não deu certo, Osorio mudou o time. Abriu mão do versátil Rafa Máquez, que alternava o papel de terceiro zagueiro e de volante, pelo meia-atacante Layún. Mas quem tomou as rédeas do jogo foi o Brasil. Philippe Coutinho buscou o canto direito, mas Ochoa fez grande defesa.
O gol do Brasil estava amadurecendo. De tanto rondar a área do inimigo no início da etapa final, a Seleção abriu o placar ao seu mmelhor estilo. Neymar iniciou o lance com um passe de calcanhar para Willian. O meia-atacante avançou pela esquerda, uma troca de posição com o camisa 10, cruzou, e Neymar se jogou no chão não para simular falta, mas para ser Neymar e abrir o placar: 1 x 0. Foi o 11º dele na era Tite, o segundo na Copa de 2018, o de número 57 na história dele com a amarelinha.
O gol deixou o jogo elétrico. O Azteca virou Maracanã, com a torcida verde-amarela pilhada. Paulinho quase fez o segundo após receber um passe rasteiro, de frente para o gol. Ochoa apareceu como muralha para salvar o México. O arqueiro também fez milagre em uma finalização quase impecável de Willian. Do outro lado, Alisson mostrou serviço no tiro venenoso de Layún.

No lance mais polêmico do jogo, o Árbitro de Vídeo (VAR) outra vez não funcionou a favor do Brasil. Numa falta criminosa, Layún pisou no tornozelo de Neymar. O telão da Arena Samara repetiu o lance pelo menos três vezes. O italiano Gianluca Brocchi deu pinta de que estava ouvindo algo sobre o lance, mas nada fez.

Já no fim da partida, em lance de contra-ataque, Neymar saiu na cara do gol de Ochoa, que parou mais uma vez o atacante brasileiro. Porém, no rebote, a bola sobrou limpa para Roberto Firmino dar números finais ao duelo.

Brasil 2

Alisson;
Fágner, Thiago Silva, Miranda e Filipe Luís
Casemiro e Paulinho (Fernandinho)
Willian (Marquinhos), Philippe Coutinho (Roberto Firmino) e Neymar
Gabriel Jesus
Técnico: Tite

México  0

Ochoa;
Álvarez (Jonathan dos Santos), Ayala, Salcedo e Gallardo
Guardado, Rafa Márquez (Layún) e Herrera
Lozano, Chicharito e Vela
Técnico: Juan Carlos Osorio
Gol: Neymar, aos 5, e Roberto Firmino, aos 42 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Filipe Luís e Casemiro (Brasil), Álvarez, Herrera e Salcedo (México)
Público: 41.970 pagantes
Renda: não divulgada
Árbitro: Gianluca Rocchi (Itália)
Fonte: Quidnovi/Superesporte